Home
Institucional
Diretoria
Estatuto
Prestando Contas
Contato
Atualização Cadastral
Cadastro de Empresas
Contribuição Sindical
Anuidade / Contrib. Associativa
Tabela de Honorários
Bolsa de Empregos
Convênios
Notícias
Cursos e Palestras
Agenda de Eventos
Fotos
Vídeos
Agradecimentos
Instituições de Ensino
Sites Úteis
Boletim da Profissão
Boletim Jurídico
Boletim Notícias
Boletim Saúde
Convenções Coletivas
Cursos Realizados
Legislação
Prefeituras RMC e Litoral
Retrospectivas
Home > Notícias > Leitura
Publicações

Veja abaixo os três principais motivos para aderir à greve geral:

Reforma trabalhista: Com o argumento de “modernizar” as leis trabalhistas, a Reforma Trabalhista está no bojo das medidas de desmonte dos direitos e garantias conquistadas pelos trabalhadores. A partir da proposta enviada pelo governo Temer à Câmara, o relator do projeto, deputado Rogério Marinho (PSDB-RN), acaba com cerca de 20 itens da CLT e muda mais de 90. O centro da mudança é permitir o “negociado sobre o legislado”, que nada mais é do que permitir que o acordado entre empresas e sindicatos tenha poder de lei, portanto, esteja acima da CLT. A medida valeria para 16 pontos, entre eles banco de horas, jornada, e participação nos lucros. Tal mudança também coloca em risco o direito ao Salário Mínimo Profissional, uma das principais conquistas da categoria dos engenheiros. Após uma manobra antidemocrática do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), a Reforma tramita em regime de urgência na Casa.

Reforma da previdência: Conseguir se aposentar passará a ser um privilégio caso a reforma da Previdência proposta pelo Governo Federal seja aprovada no Congresso. O pequeno recuo feito por Temer não tira a gravidade da proposta. A idade mínima para se aposentar pode passar a ser de 62 anos para mulheres (com aumento progressivo a cada ano) e de 65 anos para homens. Ambos terão de contribuir para o INSS ou para os regimes estatais por pelo menos 25 anos.

Terceirização: A Câmara dos Deputados e o presidente Michel Temer (PMDB) aprovaram, em março, a terceirização geral e irrestrita e contratações temporárias para o setor privado e público. A nova lei já nasce velha: ela foi aprovada com base em um projeto proposto há 19 anos pelo Governo do então presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), que já estava aprovado no Senado. Na prática, a medida abre caminho para que uma empresa de engenharia terceirize todos os engenheiros, ou que uma escola terceirize todos os professores. Como consequência, haverá maior precarização das relações de trabalho e achatamento dos salários.  

229 visitas

 

novo R. Com.Macedo, 39-8º and. Cj. 82 Curitiba/PR CEP: 80060-030 - sindivetpr@sindivetpr.org - Fone: (41) 3322-0151 / 3029-0159 / 99882-0214

 

Desenvolvimento: www.proluv.com.br